Manifestantes realizaram atos em ao menos 23 estados, além do Distrito Federal, ao longo desta quinta-feira (22) contra propostas em discussão pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB).  As manifestações fazem parte do Dia Nacional de Paralisação e Mobilização das Categorias, convocado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), contra perda de direitos trabalhistas e a reforma da Previdência. Os atos contam com apoio dos movimentos Frente Brasil Popular e Povo sem Medo, além de outras centrais sindicais.

As manifestações ocorreram no Distrito Federal e em Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rondônia, Roraima, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Até as 21h, cerca de 175 mil pessoas haviam participado ou ainda participavam dos atos, segundo os organizadores --de acordo com a Polícia Militar, foram 4 mil. Ao menos 32 cidades registraram manifestações.

O maior ato contra Temer era registrado às 19h10 no centro de Salvador, na Bahia --foram cerca de 120 mil participantes, segundo a organização. A PM não deu estimativa. Do ato participa a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). As demais manifestações eram bem menores até o horário - com algumas centenas de pessoas participando.

Veja a situação em cada local:

Alagoas
Grupos contrários ao governo de Temer realizaram ato pela manhã em Maceió. Segundo representantes do movimento, 3 mil participam do ato. A Polícia Militar não acompanha a manifestação. Os manifestantes percorreram as ruas do Centro e o trânsito ficou congestionado.

Amapá
Grupo de trabalhadores fez um protesto na Praça da Bandeira, no Centro de Macapá, pela manhã. Participaram do ato diversas instituições sindicais e elas pediram, entre várias reivindicações, afastamento do governo Temer. De acordo com os organizadores, cerca de 2 mil pessoas estão presentes no ato. A Polícia Militar não fez estimativa de manifestantes.

Amazonas
Professores, universitários, filósofos e sociólogos se manifestaram contra o governo Temer em Manaus. A concentração iniciou por volta das 15h, na Praça do Congresso. Reforma trabalhista, direitos das mulheres e escola sem mordaça foram alguns dos temas que motivaram a manifestação. A Polícia Militar e a organização do evento não souberam informar a quantidade de manifestantes presentes no ato.

Bahia
Com a presença da ex-presidente Dilma Rousseff, manifestantes caminhavam no centro de Salvador na tarde desta quinta do bairro do Campo Grande até a praça Castro Alves em ato em defesa da democracia e contra o governo Temer. "É um ato contra a ilegitimidade desse governo, contra a reforma da Previdência, contra as privatizações das estatais", disse Cedro Silva, presidente da CUT na Bahia.

Mais cedo, universidades estaduais do estado da Bahia nas cidades de Salvador (Uneb), Feira de Santana (Uefs) e Ilhéus (Uesc), ficaram sem aulas e com portões fechados. O ato  fez parte de um protesto do 'Dia Nacional de Luta' e critica o governo Temer. Professores e estudantes se reuniram em frente à sede de cada instituição para fazer uma panfletagem e não houve problema no trânsito. A polícia não acompanhou o ato.

Ceará
Trabalhadores em Fortaleza fizeram ato contra medidas anunciadas pelo governo de Michel Temer para as leis trabalhista e previdenciária. Segundo a organização, 5 mil pessoas participaram do. A Polícia Militar informou que não fará levantamento da quantidade de participantes.Com a mobilização, a Avenida Duque de Caxias, próximo à Rua Barão do Rio Branco, teve o trânsito bloqueado no sentido Centro Aldeota.

Distrito Federal
Um grupo de manifestantes contrários ao governo do presidente Michel Temer organizou um ato na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, para protestar contra o governo do presidente Michel Temer. Com bandeiras e tambores, os manifestantes se concentraram em frente ao Museu da República. De acordo com a Polícia Militar, 300 manifestantes participavam do ato às 19h40. Os organizadores estimaram mil pessoas no protesto no mesmo horário, mas disseram que, na concentração, às 18h, havia 3 mil.

Espírito Santo
Centrais sindicais e movimentos populares protestaram em frente à Assembleia Legislativa, em Vitória pela manhã. Os manifestantes são contra as reformas na previdência e as mudanças nas leis trabalhistas propostas pelo governo Temer. A organização estima a participação de 3 mil pessoas. A Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo (Sesp) disse 350 manifestantes.

Goiás
Diversas entidades sindicais se reuniram pela manhã em Goiânia. Elas criticaram projetos que preveem mudanças trabalhistas, a terceirização de serviços e também pediram a saída do presidente Temer. O ato teve início por volta das 8h na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego). De acordo com os organizadores, cerca de 2 mil pessoas estiveram presentes. Já a Polícia Militar estima que foram cerca de 700.

Maranhão
Manifestantes contrários ao governo de Michel Temer se reuniram à tarde no centro de São Luís pelo Dia Nacional de Paralisações. O ato reuniu cerca de 300 pessoas e sete centrais sindicais, segundo os organizadores. A Polícia Militar não quis dar estimativa do número de participantes.

Mato Grosso
Em Cuiabá, os manifestantes caminharam pelas avenidas Tenente Coronel Duarte (Prainha) e Getúlio Vargas, entre outras. Durante todo o trajeto, os trabalhadores e estudantes gritavam palavras de ordem pedindo a saída do presidente Temer.

Minas Gerais
Trabalhadores de várias categorias participam de atos contra medidas do governo Temer em Belo Horizonte. Por volta das 11h, a Praça Sete, no hipercentro da capital mineira, foi fechada. Manifestantes se reuniram no entorno do monumento Pirulito, nos cruzamentos das avenidas Afonso Pena e Amazonas. Segundo a organização, cerca de mil pessoas participavam do ato. A Polícia Militar não informou o número de manifestantes.

Em Juiz de Fora, a concentração se deu no Centro da cidade. Nem PM nem organizadores informaram a quantidades de presentes. Em Uberaba, manifestantes criticaram o governo Temer. Cerca de 150 pessoas participaram, segundo a organização. A polícia não foi ao local.

Pará
Grupo de manifestantes realizou uma passeata pela manhã nas ruas de Belém. Eles protestaram contra o governo Temer e a retirada de direitos dos trabalhadores. A organização do ato estima que 2 mil pessoas participaram da passeata. A Polícia Militar informou que não vai divulgar o número de participantes.

Paraíba
Manifestantes fizeram atos em vários pontos de João Pessoa. Todos os trens que circulam na Região Metropolitana de João Pessoa e parte dos ônibus que atendem a população da capital ficaram sem circular pela manhã. A CUT informou que não tem estimativa de quantas pessoas participaram dos protestos desta manhã. As aulas em parte da rede pública e na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) também estão suspensas nesta quinta.

Pernambuco
Em Recife, centrais sindicais e movimentos de trabalhadores realizaram um ato contra o presidente Michel Temer. A manifestação aconteceu  em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE).O representante local da CUT estimou em 3 mil o número de participantes. A PM não divulgou estimativa.

Pela manhã, um protesto interditou um trecho da Avenida Sul pela manhã no Recife. De acordo com a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), as retenções no trânsito começaram a ser registradas por volta das 8h30 e o tráfego foi liberado pouco antes das 10h. A ação fez parte dos atos contra o Governo Temer. Segundo os organizadores, a manifestação reuniu 300 pessoas. A Polícia Militar informou que não faria estimativa de participantes.

Piauí
Diversas entidades realizaram manifestação pelas ruas do Centro de Teresina pela manhã. A organização estima que 500 pessoas participaram do ato. A Polícia Militar não acompanhou o protesto. O ato, que faz parte do Dia Nacional de Paralisação, começou por volta das 8h e terminou às 11h. Manifestantes são contra a reforma trabalhista e previdenciária proposta pelo governo federal.

Rio de Janeiro
No Rio, manifestantes se concentraram no começo da noite desta quinta-feira (22) na Praça da Candelária, no Centro, para protestar contra o governo do presidente Michel Temer. Entidades sindicais e militantes políticos estavam entre os participantes do ato. O protesto foi convocado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), com apoio da Frente Brasil Popular e da Frente de Esquerda Socialista. Além de pedir a saída do presidente Temer, eles buscam mobilizar os trabalhadores a realizar uma greve geral.

Rio Grande do Sul
Sindicalistas realizam protestos contra reformas trabalhistas e na previdência porpostas no governo Michel Temer em Porto Alegre. Os ônibus foram impedidos de sair das garagens pela manhã. Após a liberação das garagens, trabalhadores e sindicalistas realizaram caminhadas em pontos de Porto Alegre. Na Zona Leste, uma manifestação bloqueou o corredor da Avenida Bento Gonçalves no sentido bairro-Centro durante ato. Não há estimativa de pessoas participantes do ato.

Rio Grande do Norte
Em Natal, manifestantes contra o governo Temer ocuparam uma faixa da BR-101. O grupo protestava também contra as reformas na previdência e as mudanças nas leis trabalhistas. Segundo a organização, havia 10 mil participantes. A Polícia Rodoviária Federal estimou o público em 2 mil.

Rondônia
Vários sindicatos de servidores públicos realizaram manifestação pela manhã no Centro de Porto Velho. De acordo com o Movimento Frente Brasil Popular (FBP) que organiza o evento, os trabalhadores se uniram em protesto pela reforma trabalhista e contra o presidente Michel Temer. As centrais sindicais como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Central dos Trabalhadores e Trabalhadores do Brasil (CTB) e Eletrobras Rondônia estiveram presentes. Segundo a organização, 100 pessoas participaram do ato.

Roraima
Manifestantes se reuniram pela manhã em frente ao Hospital Geral de Roraima (HGR), em Boa Vista, em apoio ao Dia Nacional de Paralisação e Mobilização. O ato foi organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), juntamente com 20 sindicatos locais. Conforme o grupo,150 pessoas participaram do ato. A PM não acompanhou o protesto.

Santa Catarina
Trabalhadores do transporte público paralisaram as atividades pela madrugada na Grande Florianópolis. Os ônibus não saíram das garagens entre 4h30 e 6h, segundo o Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Urbano de Passageiros da Região Metropolitana de Florianópolis (Sintraturb). Motoristas e cobradores se unem ao movimento nacional contra reformas trabalhistas. Em nota, o Sintraturb afirmou que a mobilização é "contra a retirada de direitos feita pelo governo de Michel Temer". Não há estimativa de pessoas participantes do ato.

Em Joinville, no Norte catarinense, uma manifestação começou às 9h na Praça da Bandeira, com cerca de 500 servidores públicos, municipais e estaduais, além de alunos. Com faixas, cartazes e bandeiras, os participantes também pediam a saída do presidente Temer. Além dos funcionários públicos de Joinville, estavam presentes no ato representantes sindicais de Itapoá. Segundo a prefeitura de Joinville, nenhum serviço foi comprometido por casa da paralisação.

Segundo organizadores, 7 mil pessoas protestaram no Parque das Águas (Foto: Fernando Bellon/TV TEM)Segundo organizadores, 7 mil pessoas protestaram
em Sorocaba (Foto: Fernando Bellon/TV TEM)

São Paulo
Manifestantes convocados pela Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e pela Força Sindical ocuparam duas faixas da Avenida Paulista, em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). A Força Sindical estimou em 3.000 o número de participantes. A PM não fez estimativa.

Em Sorocaba, centrais sindicais fizeram manifestação contra o governo Temer. A mobilização foi liderada pelo sindicato dos metalúrgicos. Segundo os organizadores, 7 mil pessoas participaram do ato que contou com a presença de 16 sindicatos, a maioria do setor de indústrias. O número de participantes não foi divulgado pela Polícia Militar, que não acompanhou a manifestação.

Na cidade de Bauru, grupo de manifestantes de sindicatos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) fez ato na frente da Câmara dos Vereadores. A Polícia Militar não acompanhou a manifestação, que reuniu aproximadamente 20 pessoas, de acordo com os manifestantes.

Já em Taubaté, manifestantes se reuniram pela manhã na região central. De acordo com a organização, cerca de 250 pessoas participaram da manifestação. A Polícia Militar acompanha o protesto, mas não fez um balanço de quantas pessoas aderiram ao movimento. A manifestação se concentrou na praça Dom Epaminondas, onde líderes de movimentos sociais e sindicais fizeram discursos contra o governo e em defesa do emprego.

Sergipe
Em Aracaju, centenas de pessoas ligadas a sindicatos de várias categorias, setores sociais, trabalhadores públicos e privados se reuniram na praça Fausto Cardoso, no Centro da cidade, para a mobilização nacional a favor dos direitos dos trabalhadores e contra o governo Temer. A CUT estimou em 2 mil o número de participantes. A PM não fez estimativa.

Tocantins
Em Palmas, movimentos sociais, frentes e centrais sindicais protestaram contra a perda de direitos trabalhistas e contra a reforma da Previdência. Segundo os organizadores do ato, cerca de 500 participaram da marcha. A Polícia Militar acompanhou a caminhada, mas não informou o número de manifestantes.