A Comissão Extraordinária das Mulheres discutirá, em audiência pública, a reforma trabalhista sob uma perspectiva feminista. A reunião será realizada no Auditório da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), nesta quinta-feira (24/8/17), às 16h30.

A reforma trabalhista sancionada pelo governo federal, que entra em vigor em novembro, prevê alterações em questões como férias, jornada de trabalho e remuneração. De acordo com alguns especialistas, essas mudanças vão diminuir os direitos do trabalhador e prejudicar as mulheres. A finalidade da reunião é analisar em quais pontos as alterações vão prejudicar especificamente a população feminina.

"A longo prazo, os efeitos dessa reforma vão se mostrar perversos. Países como a Espanha, que introduziram em suas leis trabalhistas as mesmas mudanças que o governo Michel Temer, aumentaram os índices de desemprego e aprofundaram os níveis de desigualdades", avalia a presidente da comissão, deputada Marília Campos (PT).

O requerimento para a realização da reunião é de autoria coletiva dos integrantes da comissão: deputadas Marília Campos, Celise Laviola (PMDB) e Geisa Teixeira (PT) e deputados Elismar Prado (PDT), Rogério Correia (PT) e Tadeu Martins Leite (PMDB).