Por dia, a Junta Comercial do Estado de Minas Gerais (Jucemg) recebe em média cerca de mil processos, entre pedidos de abertura e fechamento de empresas, emissão de certificados e declarações e registros empresariais. A partir desta segunda-feira (28), quem precisar desses serviços vai ter dificuldade, pois os servidores entrarão em greve por tempo indeterminado.


A presidente da Associação dos Servidores da Jucemg (Asjuc), Alessandra Araújo, explica que eles estão sem reajuste, não receberam a gratificação garantida pelo Estado no acordo de 2015 e lutam para manter a atual política do vale-alimentação, que está prestes a mudar. “A proposta é, em vez do vale, pagar por meio da folha, mas vinculando esse benefício a metas de produtividade, que ainda não sabemos quais serão”, afirma.

A categoria também luta por aumento. “O Estado diz que não tem dinheiro para reajustar salários, mas autoriza contratação de terceirizados”, questiona Alessandra. Segundo ela, são 180 servidores concursados em Minas Gerais e, aproximadamente, 300 terceirizados. Outra reivindicação é o combate ao assédio moral.

No dia 24 de agosto, representantes da Asjuc reuniram-se com a direção da Jucemg e com o assessor de relações sindicais da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais (Seplag), Carlos Calazans. A Jucemg e a Seplag solicitaram prazo até o dia 30 de agosto para posicionarem sobre todas as reivindicações.

Por meio da assessoria de imprensa, a Jucemg afirma que “trabalha para que o cidadão-usuário não sofra impactos negativos, caso a greve ocorra e vem tomando medidas preventivas para isto”. Segundo Alessandra, a expectativa é a de que 70% dos servidores entrem em greve. Por lei, é preciso manter 30% do quadro de funcionários.

Resposta. Por meio de nota, a Seplag afirma que, devido à Lei de Responsabilidade Fiscal, o governo está impedido de conceder novos aumentos salariais até que o Estado melhore seus indicadores financeiros. A secretaria informa que solicitou ao sindicato dos servidores uma denúncia formal sobre os casos de assédio, para dar início a uma investigação.

Já sobre as mudanças no vale-alimentação, o governo entende que a mudança em pagar pelos dias efetivamente trabalhados está alinhada com as demais categorias dos servidores estaduais que recebem dessa forma, e não como os servidores da Jucemg recebiam anteriormente: por 30 dias corridos, durante as férias e demais afastamentos.


Sobre a Jucemg

Serviços:

– Registro de empresas
– Abertura e fechamento
– Emissão de certidões e declarações
– Registro de sociedade
– Alteração de contrato

Endereço em Belo Horizonte: Rua Sergipe, 64, Funcionários

Horário de atendimento: das 9h às 17h

Telefone: (31) 3219-7900

Mais informações: www.jucemg.mg.gob.br